• Sandra Carvalho

Pico de Covid-19 será entre 1 e 3 de junho no Brasil, prediz modelo

Dois físicos, um deles do Brasil, estão por trás da previsão.


São Paulo: máscaras por toda parte | Foto: cc Governo do Estado de São Paulo

Dois físicos que até pouco tempo nada tinham a ver com a pandemia do novo coronavírus previram que o pico da Covid-19 no Brasil se dará entre 1 e 3 de junho. Eles aplicaram à doença princípios estatísticos já testados no mercado de ações.


Constantino Tsallis, grego naturalizado brasileiro, é do CBPF, o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, e do Instituto Santa Fé, dos Estados Unidos. Ele trabalhou com o turco Ugur Tirnakli, da Universidade Ege, de Esmirna, para desenvolver um modelo para Covid-19.


Eles se inspiraram no comportamento das transações de ações da Bolsa de Nova York (NYSE) e da Nasdaq. Tsallis diz que ao ver a forma dos gráficos que representavam os casos ativos de Covid-19 da China se lembrou das formas que ele tinha ajudado a produzir quase duas décadas atrás para representar o comportamento do mercado de ações.


"A forma era exatamente a mesma", diz ele, num comunicado do Instituto Santa Fé. "São dois sistemas complexos, e com sistemas complexos isso acontece a toda hora."


Segundo Tsallis, a fórmula funcionou em todos os países afetados pela pandemia e testados pela dupla: Itália, França, Reino Unido, Turquia, Estados Unidos e Brasil.


O estudo foi publicado no jornal Frontiers in Physics. As previsões feitas foram baseadas em dados até 8 de maio, mas podem ser atualizadas.


Veja mais: Os ratos vão entrar no combate ao coronavírus


#Brasil #CBPF #Coronavírus #Doenças #Epidemias #UniversidadeEge