• Sandra Carvalho

Pobreza extrema persegue 13,5 milhões de pessoas no Brasil

São os brasileiros que ganham menos de 145 reais por mês.


Pobreza em São Paulo: nenhum estado escapa | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A linha da extrema pobreza é matemática: para escapar dela, é preciso ganhar 145 reais por mês, ou 1,9 dólar por dia, como define o Banco Mundial.


Em 2018, 13,5 milhões de pessoas não conseguiram nem isso para sobreviver no Brasil, como apontam os dados da Síntese de Indicadores Sociais do IBGE de 2019.


Isso equivale a 6,5% da população do país, a maior proporção de pessoas vivendo na miséria em sete anos. É como se toda a população de Portugal vivesse na extrema pobreza.


Considerando a pobreza extrema e a pobreza, um em cada quatro brasileiros viveu em situação precária em 2018, ganhando menos de 420 reais por mês, ou 5,5 dólares por dia.

É com esse critério que o Banco Mundial marca a linha da pobreza. Entre os brasileiros, exatos 25,3% subsistem abaixo dessa linha, com menos que a metade do salário mínimo (998 reais).


São 52,5 milhões de pessoas pobres, aquelas que na definição do ministro Paulo Guedes consomem tudo o que ganham, em vez de capitalizar seus recursos, como os ricos.



Como o gráfico do IBGE mostra, no Maranhão a maioria das pessoas (53%) vive na pobreza, e duas a cada dez em pobreza extrema. É o estado em pior situação.


O Nordeste é a região com a maior proporção de gente na pobreza extrema - são 13,6% da população. No Sul, é o oposto - a pobreza extrema fica em 2,1%, caindo a 1,4% em Santa Catarina.


#Brasil #IBGE #MA #Pobreza #PobrezaExtrema #DesigualdadedeRenda #SC