• Sandra Carvalho

Pode virar até 3 xícaras de café por dia. Você vai viver mais (é sério)

O café protege especialmente contra doenças circulatórias e digestivas.


Café: quem bebe pode viver mais do que quem não bebe   | Foto: cc0 Unsplash

Não que o café seja o exilir da longa vida, mas as últimas pesquisas médicas realmente sugerem que ele pode proteger contra todas as causas de morte.


O que isso quer dizer? Que o café protege a saúde, embora não tenha nenhum superpoder, obviamente, contra desastres naturais, acidentes de carro ou incêndios, por exemplo, costumeiras causas de morte.


A dica é dos cientistas: junte-se às multidões que bebem 2,25 bilhões de xícaras de café por dia ao redor do mundo, caso ainda não tenha se juntado.


Pesquisadores da Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC, na sigla em inglês) e do Imperial College, de Londres, fizeram um estudo monstro sobre consumo de café na Europa.


Sua conclusão principal: pessoas que bebem em torno de três xícaras de café por dia podem viver mais do que quem não bebe café.


Eles examinaram dados de 521 mil pessoas de mais de 35 anos em 10 países da União Europeia. O estudo saiu hoje na publicação Annals of Internal Medicine.


A constatação deles: beber café está associado a menor risco de morte de várias causas, e isso não muda de país para país. Não importa se você bebendo um caffè espresso na Itália ou um cappuccino na Inglaterra.


Melhor ainda: a pesquisa indicou que o café descafeinado tem os mesmos efeitos.

"O maior consumo de café está associado a menor risco de morte de qualquer causa, e especificamente de doenças circulatórias e digestivas", afirmou o médico Marc Gunter, da IARC, o líder do estudo, num comunicado do Imperial College.


"Descobrimos que beber café está associado a um perfil mais favorável de funcionamento do fígado e de resposta imunológica", ele comentou.


Segundo os pesquisadores, ainda é necessário pesquisar mais para saber exatamente quais componentes do café estão produzindo esses efeitos favoráveis.


#Café #Doenças #ImperialCollege #Longevidade