• Sandra Carvalho

População brasileira, a sexta maior do mundo

O número de brasileiros continua a crescer, mas no futuro a história vai ser bem diferente.



Hoje, somos 211 milhões de brasileiros, 60 milhões a mais do que em 1990. E vamos continuar crescendo nos próximos anos - mas não para sempre.


O relatório da ONU World Population Prospects 2019 mostra o porquê. A taxa de fecundidade das brasileiras, que vem caindo nos últimos anos, já bateu em 1,7.


É uma taxa baixa, igual a da China, e mais baixa que de países europeus como a Suécia e do Reino Unido.


Com essa tendência, segundo a ONU, a população brasileira vai começar a encolher a partir de 2045 e chegar a 2100 com apenas 181 milhões de habitantes. Não estará nem entre as 10 maiores do mundo (será a décima-primeira).


Até agora, a população do Brasil ocupava o quinto lugar desse ranking. Mas fomos atropelados pela onda de crescimento populacional da Ásia, e caímos para sexto, atrás da China, Índia, Estados Unidos, Indonésia e Paquistão.


No futuro, na segunda metade deste século, seremos atropelados por outra onda: a dos países africanos, campeões mundiais de taxas de fecundidade.


A expectativa de vida, para quem nasce hoje no Brasil, é de 76 anos, na média dos países sul-americanos. Cerca de 37% da população tem menos de 25 anos, e 9% já fizeram 65 anos ou mais.


Na população brasileira predominam os pardos (46,5%), seguidos dos brancos (41,3%) e dos pretos (9,3%). Os dados, do IBGE, referentes a 2018, se baseiam na autoclassificação das pessoas.


É uma população marcada pela desigualdade racial e de renda. Um em cada quatro brasileiros vive abaixo da linha da pobreza.


Números do IBGE: em 2018, havia 52,5 milhões de pessoas pobres no país (ganhando menos de 420 reais por mês), com 13,5 milhões em situação de pobreza extrema (recebendo menos de 145 reais).


#DesigualdadedeRenda #DesigualdadeRacial #IBGE #ONU #Pobreza #População #PopulaçãoBrasileira #Rankings