• Sandra Carvalho

Proteína no sangue alerta para risco de morte da Covid

Ela pode ser identificada no sangue já nos primeiros sinais da doença e ajuda a salvar vidas.


Covid-19: a proteína sTREM-1 prediz a evolução da doença | Foto: Liza Poor/Unsplash

Pesquisadores da USP e Universidade Federal de São Carlos detectaram um biomarcador que pode alertar para casos graves de Covid-19 antes de a doença complicar, logo nos primeiros sintomas. Trata-se da proteína sTREM-1, identificável num teste de sangue simples, imunoenzimático.


Com o alerta, é possível iniciar o tratamento precoce dos casos de infeccão que tendem a se tornar graves ou mesmo fatais. salvando vidas.


A descoberta foi publicada no preprintmedRxiv. Os pesquisadores acompanharam 91 casos de Covid-19, 47 em hospitais e 44 em casa. Notaram que os níveis de sTREM-1 subiam nos pacientes conforme a gravidade da doença.


"Essa variação indica uma ativação da resposta imune contra a infecção por SARS-Cov-2", disse Lúcia Helena Facciolli, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP de Ribeirão Preto, uma das autoras do estudo, à Agência Fapesp.


Há outros biomarcadores para Covid-19 conhecidos, como a queda do número de linfócitos, que indicam a severidade da infecção. Mas, segundo os pesquisadores da USP, nenhum desses marcados prediz tão bem a evolução da doença.


Os cientistas conseguiram também identificar um "ponto de não retorno", quando o estado do doente fica tão crítico que não há mais como ele se recuperar.


Para eles, o monitoramento das taxas de sTREM-1 poderia evitar esse ponto, ao alertar para a necessidade de tratamento precoce.


O professor Carlos Sorgi, do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto, outro dos autores do estudo, notou que o efeito benéfico dos corticoides em pacientes graves tem de ser na dose certa e na hora certa.


“Caso a inflamação seja muito grave, o dano é tão grande para o paciente que mesmo com o uso de corticoides ele acaba morrendo", observou.


#Inflamações #Biomarcadores #UFSCar