• Sandra Carvalho

Pulmão artificial brasileiro é arma contra Covid

Aparelho permite respiração fora do corpo, quando a ventilação mecânica não adianta mais.


Ecmo Solis
Sistema Solis: criado em São José do Rio Preto, interior de São Paulo | Foto: Braile Biomética

Em casos graves de Covid-19, pode-se chegar a um estágio em que os respiradores artificiais deixam de ter efeito. É a hora de tentar a respiração fora do corpo, conhecida como ECMO.


É aí que entra o sistema Solis, para ECMO, criado pela empresa de equipamentos cardíacos Braile Biomédica, de São José do Rio Preto.


"É uma espécie de pulmão artificial, que pode ser usado em adultos e crianças" definiu o engenheiro mecânico Rafael Braile, que liderou a pesquisa e desenvolvimento do Solis.


Como o sistema funciona? O aparelho drena o sangue do paciente com cateteres, faz sua oxigenação e devolve o sangue oxigenado para ele, num processo que se prolonga por até 30 dias ou mais, até que o pulmão do paciente esteja recuperado.


O Solis também pode fazer o papel de coração artificial, aí para ajudar quem fez transplante ou sofreu infarto ou parada cardíaca.


"Todos os aparelhos para ECMO no país são importados; o sistema Solis vem para somar", observou para a Fapesp o cirurgião Luiz Fernando Canêo, do InCor, o Instituto do Coração. Um aparelho desses costuma custar entre 35 mil e 50 mil dólares.


Em tempo: ECMO é a sigla em inglês para oxigenação por membrana extracorpórea.


Veja mais: Pulmões humanos se regeneram plugados a porcos


#Pulmão #SP