• WRI Brasil

Qual é o truque para regenerar florestas?

A regeneração natural com uma pequena ajuda humana funciona bem em matas devastadas.


Floresta Nacional Tapajós
Floresta Nacional Tapajós, na Amazônia | Foto: cc Marizilda Cruppe/Flickr

Quando você pensa em restaurar uma área desmatada, você provavelmente imagina alguém cavando buracos no chão para colocar as sementes ou mudas.


Plantar árvores é importante (se feito de forma adequada), mas em muitos casos é melhor e mais barato deixar as árvores crescerem de novo por conta própria e as florestas se restaurarem sozinhas, com pouca participação humana.


Na verdade, há um amplo espectro de abordagens para restaurar paisagens florestais.


Entre os modelos passivos, há a regeneração espontânea, na qual as árvores e outros tipos de vegetação nativa crescem de novo naturalmente.


Pense no que acontece depois de um incêndio florestal natural: depois de algum tempo, pequenos brotos despontam das cinzas e se tornam árvores grandes e fortes sem qualquer ajuda de pessoas.


Na outra extremidade do espectro, está a abordagem mais conhecida, pela qual as pessoas coletam sementes da floresta, produzem mudas, plantam e mantêm as árvores em terras e florestas degradadas.


Entre esses dois extremos fica uma abordagem particularmente promissora e viável: a regeneração natural assistida (RNA).


O que é regeneração natural assistida?


A regeneração natural assistida é um misto do plantio ativo com a restauração passiva. Nessa abordagem, as pessoas intervêm para ajudar as árvores e a vegetação nativa a se recuperarem de forma natural, eliminando barreiras e ameaças a seu crescimento, utilizando seu conhecimento da terra e tradições ancestrais.


Mas o que exatamente as pessoas podem fazer para ajudar a terra e limitar a frequência e a severidade de perturbações que podem prejudicar árvores jovens e impedi-las de crescer?


Para prevenir a propagação de incêndios florestais, as pessoas podem construir aceiros e limpar o solo da floresta de detritos secos.


Para impedir o gado de mastigar mudas, é possível construir cercas. Para dar às árvores nativas espaço suficiente para crescer, pode-se remover gramíneas e arbustos invasores.


E, se a regeneração natural por si só não aumentar a cobertura vegetal com rapidez suficiente ou se as espécies pretendidas não aparecerem sozinhas, as pessoas podem plantar árvores de forma seletiva, a fim de preencher as lacunas.


Então por que a regeneração natural assistida é uma técnica importante na “caixa de ferramentas” da restauração de ecossistemas? E quais são suas vantagens específicas?


Pesquisas mostram que essa é uma solução baseada na natureza com bom custo-benefício para promover a restauração de milhões de hectares e, ao mesmo tempo, fornecer serviços ecossistêmicos que as pessoas precisam para prosperar – como água limpa e solo saudável. ✔︎


Esse texto, de Mariana Oliveira, Julio Alves, Miguel Calmon, Bruno Calixto, Robin Chazdon, Jared Messinger e Will Anderson, foi publicado originalmente no blog Insights, do instituto de pesquisas WRI Brasil, sob licença Creative Commons. Leia aqui o artigo original na íntegra.


Veja mais: O Brasil tem uma Espanha inteira para reflorestar