• Pesquisa Fapesp

Quanto vale um manuscrito de Einstein hoje em dia?

Pelo menos 11 milhões de euros, a julgar pelo último documento leiloado.


Einstein
Einstein: é dele o manuscrito científico mais valorizado da história | Foto: cc0 Wikimedia Commons

Um documento escrito à mão que ajudou a mudar a compreensão do universo foi vendido em 23 de novembro pelas casas de leilão Christie’s e Aguttes, em Paris, por € 11,6 milhões (cerca de R$ 74 milhões), desconsiderando os impostos.


Esse é o valor mais alto atingido por um documento científico. O manuscrito de 54 páginas foi redigido entre junho de 1913 e o início de 1914 pelo físico alemão Albert Einstein (1879-1955) e pelo engenheiro ítalo-suíço Michele Besso (1873-1955), amigos desde a graduação na Escola Politécnica Federal em Zurique, Suíça.


Com 26 páginas escritas por #Einstein e 25 por Besso, além de três com grafia de ambos, o documento tenta explicar anomalias na órbita do planeta #Mercúrio usando versões iniciais de equações que mais tarde o físico utilizaria para demonstrar a sua teoria da relatividade geral em 1915.


Manuscrito de Einstein e Besso
O manuscrito, escrito por Einstein com o amigo Michele Besso | Foto: Christie's

A teoria explica a gravidade como sendo consequência da deformação que corpos causam no espaço-tempo, e não como uma força de atração a distância entre os corpos, como proposto por Isaac #Newton no século XVII.


O documento, conhecido como manuscrito Einstein-Besso, é um dos dois que chegaram aos dias atuais detalhando a gênese da teoria da relatividade geral – o outro está na Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel. ✔︎


Esse texto foi republicado de Pesquisa Fapesp de acordo com uma licença Creative Commons. Leia o original aqui.


Veja mais: A coisa mais apavorante do mundo são os buracos negros