• Sandra Carvalho

Quer viver mais? Então feche a boca

O Instituto Salk, da Califórnia, sugere que tirar 30% das calorias do prato faz bem.


Tudo leve: menos calorias, menos inflamações e mais saúde | Foto: cc0 Dose Juice/Unsplash

Coma menos, viva mais - esse é o mote do mais recente do Instituto Salk, da Califórnia. Seus cientistas dizem que cortar calorias evita o envelhecimento das células, o aparecimento das doenças ligadas à idade e prolonga a duração da vida.


O envelhecimento é o principal fator de risco para doenças como diabetes, câncer e demência.


Para dar resultado, o corte de calorias tem de ser substancial. Em experiências feitas com ratos em laboratório, os cientistas do Instituto Salk tiraram 30% das calorias da dieta regular dos animais.


As cobaias penaram com a restrição calórica dos 18 meses até 27 meses - o equivalente, no caso de humanos, a comer menos dos 50 anos até os 70.


Dureza? Aparentemente, a disciplina compensa. Enquanto os ratos de dieta normal envelheciam, 57% das mudanças ligadas à idade não aconteciam nos ratos submetidos ao corte de calorias.


Mesmo já velhos, os ratos que comeram menos apresentaram muitos tecidos e células próprios de ratos jovens. A dieta melhorou sobretudo sua imunidade e seu metabolismo de lipídios e diminuiu as inflamações.


O estudo analisou perto de 170 mil células de 40 diferentes tipos em 56 ratos. Executado por cientistas americanos e chineses de diversas universidades, foi publicado no jornal Cell.


#Calorias #Células #Comida #Envelhecimento #Inflamações #InstitutoSalk