• Sandra Carvalho

Quem foge da rotina tem mais chance de ser feliz?

É o que dizem cientistas das universidades de Miami e Nova York.


Saindo da rotina: resultados positivos | Foto: cc0 Derek Thomson/Unsplash

Quebrar a rotina em plena pandemia de coronavírus não é nada fácil - mas é isso mesmo que pesquisadores americanos das universidades de Nova York (NYU) e Miami (UMiami) sugerem para quem quer ser mais feliz.


Levando em conta as restrições de movimentação em boa parte do mundo, eles não indicam nada complicado nem excêntrico para o momento atual.


"É desafiador na era da Covid-19 ter novas experiências", reconhece Aaron Heller, professor da UMiami e um dos autores do estudo sobre rotina e felicidade. "Mas mudanças pequenas na rotina física, como fazer exercícios em casa ou seguir um caminho diferente até o supermercado ou a farmácia, podem ter efeito similar."


Os pesquisadores estudaram a ligação entre a diversidade de experiências diárias e bem-estar antes da pandemia, mas o estudo só foi publicado agora, no jornal Nature Neuroscience.


"As pessoas se sentem mais felizes com rotinas diárias mais variadas, quando vão a novos lugares e têm uma gama de experiências mais ampla", observa Catherine Hartley, professora de Psicologia da NYU.


Os pesquisadores acompanharam 122 pessoas em Nova York e Miami com GPS entre 3 e 4 meses, pedindo que mandassem mensagens de texto sobre seu estado emocional dos diferentes lugares em que iam.


Metade dos participantes da pesquisa foi submetida também a ressonância magnética funcional (fMRI) em laboratório.


O escaneamento mostrou que as pessoas que tinham sentimentos positivos mais acentuados com experiências diversificadas exibiam uma maior correlação entre atividade cerebral no hipocampo e no striatum, isto é, entre áreas associadas a novidades e recompensa.


Veja mais: Experiências na natureza são próximas da fecilidade


#Cérebro #Coronavírus #Felicidade #GPS #fMRI #Neurociência #NYU #Psicologia #UMiami