• Sandra Carvalho

Se todo mundo vivesse como o Catar... pobre Terra!

O país já esgotou em fevereiro os recursos biológicos que deveriam durar o ano inteiro.


Doha
Doha, no Catar: entre o mar e o deserto | Foto: cc0 Elissar Haidar/Unsplash

O Catar é o país que mais esbanja os recursos biológicos do planeta. Seu Dia de Sobrecarga da Terra já aconteceu neste mês de fevereiro, mesmo com a paradeira da pandemia do novo coronavírus.


Fincado no Golfo Pérsico, com 2,6 milhões de habitantes, o Catar gasta para importar tudo o que não pode tirar do mar e do deserto e para aplacar suas temperaturas tórridas. Ali o ar condicionado e seu voraz consumo de energia são parte da cesta básica de sobrevivência.


O Dia de Sobrecarga da Terra do Catar aconteceu este ano em 9 de fevereiro, segundo os cálculos da Global Footprint Network, que faz esse levantamento desde 1970.


O Dia de Sobrecarga da Terra é uma data móvel: acontece em cada país no dia em que sua população acaba de consumir os últimos recursos biológicos que poderiam se recuperar no ano e entra no negativo.


Em termos globais, atualmente, usamos 60% a mais do que pode ser reposto.


O Catar não ficou muito tempo isolado como vilão das pegadas ecológicas negativas em 2021. Foi logo acompanhado por um microestado europeu, Luxemburgo, cinco dias depois. O Dia da Sobrecarga da Terra no país caiu este ano em 15 de fevereiro.


Quais são os motivos? Luxemburgo tem mais carros e o maior consumo de energia per capita da Europa. Combustível lá é muito barato - o que atrai muitos turistas pilotando seus próprios veículos. Mais: em seu pequeno território, apenas 1% é de áreas de conservação. Tudo isso complica sua pegada ecológica.


Em março, a lista dos países que exageram no consumo dos recursos biológicos do planeta vai ficar bem mais cheia, com 7 novos nomes. Entram Estados Unidos, Canadá, Austrália, Dinamarca, Bélgica, Emirados Árabes e Kuwait.


Veja mais: 22 de agosto, Dia da Sobrecarga da Terra


#Catar #Luxemburgo #PegadaEcológica #GlobalFootprintNetwork