• Sandra Carvalho

Seca extrema: por que o Pantanal ardeu em 2020

Estudo do INPE e da Unesp disseca a origem da maior seca dos últimos 50 anos.


Incêndio mata animais no Pantanal
A morte que veio com o fogo: Pantanal atingido pela seca extrema | Foto: cc Chico Ribeiro/Fotos Públicas

Bloqueio meteorológico - é esse o nome técnico da causa da catástrofe ambiental que se abateu sobre o Pantanal no ano passado.


O Pantanal é uma das maiores zonas úmidas do mundo. Uma parte de suas chuvas vem de ventos que saem do Atlântico Norte, passam pela Amazônia e seguem para o Centro-Oeste.

Durante os verões de dois anos, 2019 e 2020, esse ar quente e úmido da Amazônia escasseou, devido à formação de uma área de alta pressão - o bloqueio meteorológico.


Essa área de alta pressão também impediu a passagem de frentes frias do Sul para o Pantanal. Tudo confluiu para uma seca extrema e a tragédia dos incêndios que castigaram a vegetação e os animais da região no ano passado.


“A combinação de falta de chuva com temperaturas altas e umidade relativa muito baixa levou ao aumento de risco de fogo, que se estendeu não somente sobre áreas agrícolas como também naturais do bioma”, explicou José Marengo, pesquisador do Centro de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais, o Cemaden, e do INPE, à agência Fapesp.


Marengo coordenou um estudo sobre a seca extrema do Pantanal, que foi publicado no jornal científico Frontiers in Water. Cientistas da Unesp também participaram da pesquisa.


O bloqueio meteorológico é um fenômeno natural, mas a tragédia também teve sua mão humana. A limpeza de terreno com queimadas feita pela pecuária da região aumentou os focos de incêndio.


“O fogo causado de um lado pelo ar mais quente e a falta de chuvas no Pantanal e de outro pela queima de áreas para pecuária na região resultou no desastre ambiental que vimos no bioma”, definiu Marengo.


No passado, o impacto dessas secas de origem natural era menor. Mas como o planeta ficou mais quente e o Pantanal está muito mais habitado que antes, as consequências se amplificaram acentuadamente.


Veja mais: 17,5% do Brasil queimou nos últimos 20 anos


#incêndios #Secas #Meteorologia #Biomas #Pecuária #Agropecuária