• Agência Brasil

SOS aves: corte o elástico da máscara antes de jogar fora

Campanha em São Paulo tenta evitar risco de asfixia de animais.


Máscara
A maioria das máscara acaba nos aterros sanitários ou mesmo nas ruas | Foto: cc0 Elizabeth McDaniel/Unsplash

Uma campanha da prefeitura de São Paulo, com divulgação em estações de metrô, pede que a população corte o elástico das máscaras antes de jogá-las no lixo.


A ideia é evitar que animais, especialmente as aves, fiquem enroscados ou que, ao ingerir o item descartado, os bichos sejam asfixiados.


A iniciativa teve início no Reino Unido e é apoiada na capital paulista pelas concessionárias do Metrô Via Quatro e Via Mobilidade.


Foram colocados cartazes nas estações para a conscientização dos usuários das linhas amarela e lilás do Metrô.


Segundo a organização britânica RSPCA (sigla em inglês para Sociedade Real para a Prevenção de Crueldade com os Animais), que encabeça a ação, em um mês, foram atendidas 900 chamadas sobre animais presos nos elásticos das máscaras, especialmente aves que enroscam bicos e patas.


Em nota, a prefeitura destacou que, por causa da pandemia de Covid-19, quase 7 bilhões de máscaras descartáveis são utilizadas diariamente no mundo.


Pela impossibilidade de reciclar o material, diante do risco de contaminação, a maioria delas é despejada em aterros sanitários. A organização aponta que o risco é maior para animais selvagens e aves.


A organização britânica orienta ainda outras ações que podem prevenir acidentes com animais em decorrência do descarte de lixo: cortar as alças de sacolas plásticas, cortar o suporte para latas de plásticos, cortar balões antes de colocá-los no lixo, cortar luvas descartáveis, limpar e esvaziar recipientes após o uso ou cortá-los ao meio. ✔︎


Esse texto, de Camila Maciel, foi originalmente publicado pela Agência Brasil. Leia o original aqui.


Veja mais: Máscara brasileira inativa coronavírus por 12 horas