• Sandra Carvalho

Superexplorados, peixes grandes declinam em Arraial do Cabo

Anchovas, garoupas, xaréus e olhetes dão lugar a espécies menores e mais abundantes.


Redes de pesca em Arrail do Cabo
Garoupa, hoje uma espécie mais difícil de achar em Arraial do Cabo | Foto: cc Albert Kok/Wikimedia Commons

Em Arraial do Cabo, uma pequena cidade litorânea da Região dos Lagos no Rio de Janeiro, os peixes grandes e médios estão declinando, superexplorados por muitos anos.


É o repeteco local dos estragos da pesca predatória que ocorre em boa parte do mundo.

A pesca biologicamente sustentável diminuiu globalmente de 90%, em 1974, para 65,8% em 2017.


Nos lugares em que a #sobrepesca é evitada, os estoques de peixes têm se recuperado. Nos outros, eles continuam decaindo.


Hoje os pescadores de Arraial do Cabo passam mais tempo no mar para capturar a mesma quantidade de peixes de anos atrás, porque os peixes mais abundantes atualmente são menores.


Diminuem a anchova (Pomatomus saltatrix), a garoupa (Epinephelus marginatus), o olhete (Seriola fasciata) e o xaréu (Caranx hippos). Os pescadores recorrem então a espécies como peixe-espada (Trichiurus lepturus), peruá (Balistes capriscus) e raquete (Aluterus monoceros).


Essa mudança foi apontada num estudo sobre pesca artesanal em Arraial do Cabo por cientistas da Universidade Federal de Santa Maria (#UFSM), Universidade Federal Fluminense (#UFF) e Universidade Federal de São Paulo (#Unifesp).


A pesquisa foi publicada no jornal PLOS ONE.


"A pesca da garoupa tem uma história secular naquela região, era importante para a economia local", observou Mariana Bender, do Laboratório de Macroecologia e Conservação Marinha da UFSM", uma das autoras do estudo, à Agência Fapesp.


"Peixes como garoupa e xaréu sempre foram muito valorizados ali, mas agora são cada vez mais raros", exemplificou.


O ciclo perverso de sobrepesca dos maiores para os menores continua avançando. Segundo a pesquisa, anos atrás os pescadores enterravam o peixe-espada na areia, quando ele vinha nas redes, porque tinha pouco valor comercial. Hoje, com boa procura no mercado, em vez de esnobado ele já se tornou superexplorado, como os peixes maiores.


Peixes em Arraial do Cabo
Dos maiores para os menores: peixes capturados em Arraial do Cabo em 1982 (a), 2005 (b) e 2020 (c e d) | Foto: Carine Flogliarini et al

Veja mais: Peixes de água doce, os mais ameaçados