• Sandra Carvalho

Trauma deixa a sua marca nos olhos

A pupila revela experiências traumáticas do passado, dizem cientistas galeses.


Quem tem transtorno de estresse pós-traumático reage mais a qualquer estímulo | Imagem: Universidade de Swansea

Um acidente de carro, um sequestro, um conflito armado - muitas experiências perturbadoras podem desembocar num transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). A marca pode ser vista nos olhos, segundo cientistas das universidades de Swansea e de Cardiff, no País de Gales.


Eles buscaram traços das experiências traumatizantes nos olhos dos pacientes com TEPT medindo suas pupilas enquanto eles viam imagens aterrorizantes (como a de animais ferozes e armas), neutras e agradáveis.


A reação desses pacientes foi diferente da de todas as outras pessoas, inclusive das que tinham passado por traumas, mas não tinham TEPT.


No começo, a pupila deles não passou pela compressão aguda natural pela mudança de níveis de luz. Mas depois a pupila aumentou muito mais do que a de todos os outros participantes.


Segundo os pesquisadores, a reação das pessoas com o transtorno foi exagerada não só aos estímulos ameaçadores, mas também às imagens consideradas positivas, como cenas de esporte.


Essa hiper-resposta em qualquer contexto emocional incerto indica a carga enorme que as pessoas do TEPT carregam no seu dia-a-dia.


"O gatilho do sistema de ameaça pode disparar com qualquer nível alto de estímulo emocional, mesmo que seja uma emoção positiva", comentou Aimee McKinnon, que liderou a pesquisa quando estava na Universidade de Cardiff (hoje ela está na Universidade Oxford).


O estudo foi publicado no jornal Biological Psychology.


Veja mais: Maconha aliva estresse pós-traumático (mas só por um tempo)


#Estresse #Olhos #Neurociência #Psicologia #TEPT #Traumas #UniversidadedeCardiff #UniversidadedeSwansea