Tomou demais bebida energética com cafeína? Drogas à vista, dizem cientistas

Eles se baseiam num estudo de cinco anos de hábitos de jovens adultos nos Estados Unidos.


Consumo de bebidas energéticas intenso por vários anos: sinal vermelho | Foto: cc0 Pixabay

Cientistas da Escola de Saúde Pública da Universidade de Maryland (UMD) estudaram o consumo de bebidas energéticas com cafeína entre jovens adultos de 21 a 25 anos durante cinco anos.


Sua conclusão: quem consumiu regularmente essas bebidas ao longo de todo esse tempo tem uma probabilidade muito maior de usar cocaína e estimulantes sem receita médica e enfrentar problemas com álcool aos 25 anos.


O estudo não encontrou qualquer ligação entre bebidas energéticas e consumo de maconha ou cigarro.


A pesquisa foi conduzida pela médica Amelia Arria, do Centro de Saúde e Desenvolvimento de Jovens Adultos. Com a sua equipe, ela acompanhou a trajetória de 1099 pessoas.


Os resultados foram publicados no jornal Drug and Alcohol Dependence.


Dessas 1099 pessoas estudadas, 51,4% mantiveram o consumo de bebidas energéticas de forma persistente ao longo do tempo, correndo o risco de um maior envolvimento com drogas.


Outros fatores foram observados e descartados como causa principal desse risco - demografia, consumo de cafeína por outras formas, uso de drogas antes dos 21 anos, comportamento em busca de sensações etc.


Os participantes do estudo que seguiram uma trajetória intermediária, 17,4%, também tinham um risco maior de uso de cocaína e estimulantes sem receita e de ter problemas com álcool, se comparados com quem nunca consumiu bebidas energéticas (20,6%).


O estudo associou o uso persistente de bebidas energéticas ao consumo de drogas, mas não explicou a maneira pela qual isso acontece.


#BebidasEnergéticas #Cafeína #Cocaína #Drogas #Jovens #UMD