• Sandra Carvalho

Streaming de vídeo por celular é o pior para o meio ambiente

A agência do meio ambiente da Alemanha fez todas as contas.


Streaming de vídeo por 3G: mais gases de efeito estufa | Foto: cc0 /Unsplash

O streaming de vídeo leva há anos a fama de vilão na criação de gases de efeito estuda. Mas nem todo streaming é igual. A agência alemã do meio ambiente, UBA, acaba de mostrar qual é melhor ou pior quando se trata de preservar o meio ambiente.


Os data centers que hospedam os vídeos não geram tanto CO2 ao processar seus dados. Produzem 1,5 grama por hora de processamento. A coisa fica feia é quando os vídeos saem dos data centers para serem transmitidos para os seus usuários.


As conexões de fibra óptica são as que menos emitem gases de efeito estufa ao transmitir vídeos HD: 2 gramas de CO2 por hora. As conexões de cobre das redes de cabo geram o dobro, mas ainda um número bem palatável: 4 gramas.


A coisa começa a degringolar nas redes celulares 4G, que já geram 13 gramas de CO2 por hora. O pior acontece nas conexões 3G de celulares: 90 gramas por hora. Com o 5G o celular vai recuperar a moral: as emissões ficam em 5 gramas.


"Esses últimos resultados mostram que é possível fazer streaming de dados sem impactar negativamente o clima, se você faz da maneira certa e escolhe o método correto para a transmissão de dados" notou Svenja Schulze, ministra alemã do Meio Ambiente.


Ela sugeriu que se espalhem pelas cidades hotspots WiFi, que são mais amigáveis ao meio ambiente que as redes dos celulares.


Veja mais: Na Unicamp, se faz fibra óptica como se faz macarrão