• Sandra Carvalho

Vibrador pode, sim, ganhar prêmio de robótica na CES

Primeiro a CES premiou o vibrador Osé, depois tirou o prêmio, e agora deu de novo.


Vibrador Osé, da LoraDiCarlo: prêmio de tecnologia recebido, revogado e devolvido | Foto: Lora DiCarlo

A feira CES (Consumer Electronics Show), que acontece todos os anos em janeiro em Las Vegas, Estados Unidos, este ano deu um prêmio de inovação para um brinquedinho sexual feminino, o vibrador Osé, fabricado pela startup Lora DiCarlo. Tudo normal, certo? Não.

O Osé foi escolhido na categoria de robótica e drones. É um vibrador hands-free, que deve chegar às lojas no meio do segundo semestre.

A entidade organizadora da CES não gostou nada da escolha. Revogou o prêmio e ainda proibiu a empresa Lora DiCarlo de participar das próximas feiras, alegando que produtos imorais e obscenos ou que prejudicassem a imagem da CES não poderiam fazer parte dela.

A presidente da Lora DiCarlo revidou imediatamente, acusando a organização da feira de preconceito de gênero, sexismo, misoginia e duplo padrão de julgamento.


Lembrou que uma boneca sexual, brinquedinho para homens, foi lançada sem problemas na feira de 2018 e que uma empresa de realidade virtual para pornografia se apresenta na CES todos os anos.

Agora, quatro meses depois de revogação do prêmio, a CES voltou atrás, devolveu o prêmio e pediu desculpas.

#BrinquedosSexuais #CES #Mulheres #Preconceitos #Startups #Sexismo