• Sandra Carvalho

Você tende à depressão no fim de ano? Então maneire no açúcar

Açúcar demais, dos doces das festas, pode disparar um processo ligado à depressão.



Psicólogos clínicos da Universidade do Kansas afirmam que o alto consumo de açúcar pode alterar, para pior, a saúde mental das pessoas.


Como isso acontece? O açúcar acrescentado aos alimentos, em grande quantidade, pode disparar o gatilho de processos metabólicos, inflamatórios e neurobiológicos que são ligados à doenças depressivas.


Resistir às delícias açucaradas das festas de fim de ano não é fácil, claro. O açúcar inicialmente levanta o ânimo, num efeito efêmero.


"Quando consumimos doces, eles agem como drogas", diz Stephen Ilardi, professor de Psicologia Clínica da Universidade de Kansas. "Têm um efeito imediato de melhorar o humor, mas em altas doses têm a consequência perniciosa de longo prazo de piorar o humor, reduzir o bem-estar, aumentar as inflamações e engordar."


O risco de depressão nessa época do ano é maior para quem está no inverno, como americanos e europeus. Eles já sofrem com a falta do sol da estação, que mexe com os ritmos circadianos, atrapalhando os padrões normais de sono.


Segundo os pesquisadores, abusar do açúcar é semelhante a abusar do álcool. Eles sugerem que a dose máxima diária de açúcar acrescentado aos alimentos nunca deve passar de 25 gramas.


O estudo da Universidade do Kansas foi publicado no jornal Medical Hypotheses.


#Açúcar #Alimentos #Depressão #RitmoCircadiano #UniversidadedoKansas